Músicas do dia.

Hoje que é dia de finados, presto aqui homenagem a tantos amigos que já partiram, e
me lembro de 2 canções que também são homenagens aos amigos que já partiram.

‘A gente faz morada é nas pessoas’
E tantas pessoas já fizeram morada em mim, hoje não nos
vemos mais pelo corpo físico, mas sei que um dia quem sabe nos encontraremos novamente?
A vida terrena é efêmera, muitas pessoas passam por nós e seguem sua longa caminhada.

Vida (Non Ducor Duco)

Kamau

Por mais que eu tente, eu nunca vou entender
o que passou na sua mente, tirou você da gente de repente
notícias que ninguém quer
quando o tim me contou não botei fé
tentei lembrar a última vez que te vi
indo pra casa, por acaso, na estação Tucuruvi
trombei você, me pareceu até feliz
será que tava mal já e não quis me contar?
ah, se eu soubesse, talvez tivesse conversado mais
perguntado mais, até aconselhado mais
agora é tarde, restam dúvidas, boas lembranças
esperança de que você tenha encontrado paz
sua alegria ainda nos contagia
faz lembrar que mais um dia não é só um dia a mais
é uma página em branco pra registrar
as histórias pra contar no livro que vai ficar pra trás

Da vida agente leva a vida só, aproveite
você tem uma vida só
pra sonhar, sofrer, tentar, fazer
errar, aprender a viver

Infelizmente eu não sei lidar
são coisas que agente aceita mas difíceis de acreditar
peço desculpas por não ir me despedir
mas é que não caiu a ficha desde que eu atendi a ligação
e a pressão de ter que contar
só alivia com tanto momento bom pra lembrar de você
que alegrava o ambiente onde chegava
sorridente, cativava quem estivesse no caminho
ah neguinho, se você soubesse
cada vez que eu penso o olho embaça
o sentimento diminui mas nunca passa
e o destino é alguém com um poder maior que traça
quando puder diz como é que cê tá
eu tenho fé de que agente ainda vai se encontrar
mas preferia não ter que escrever uma dessa
nosso mundo ainda gira mas faltando uma peça

Da vida agente leva a vida só, aproveite
você tem uma vida só
pra sonhar, sofrer, tentar, fazer
errar, aprender a viver

Venha como vier e será bem recebido
minha querida, meu querido, minha continuação
motivação pra ser melhor do que eu sou agora
conto os minutos, os segundos, mas não vejo a hora
de conversar contigo, ser seu melhor amigo
te proteger do perigo, mas não sei se eu consigo
dar um talento no meu mundo pra você chegar
tentar ser menos vagabundo pra te aconchegar
te pegar pela mão e te levar até onde eu puder
se você quiser, porque eu não quero te forçar

Deus te guiará pra criar seus sonhos
pra não ter que carregar os meus
todas serão por você, mas essa é pra você
especialmente, não sei se você vai entender
eu tenho muito a aprender até lá
mas é você e a vida que vão me ensinar

Da vida agente leva a vida só, aproveite
você tem uma vida só
pra sonhar, sofrer, tentar, fazer
errar, aprender a viver

Canção Para Meus Amigos Mortos

Emicida

Ei, aí, quer saber…

Dizem que quando seus amigos morrem
Viram estrelas (sobem)
Peça que olhem (ore), nunca ignorem
Oro calado e os guardo em olhares mariados
Onde pupila são barcos desnorteados
Massa no ar, cápsulas no chão
Cães fitam, mães gritam, não (meu filho, não!)
É o corpo na vala, a bala vem de quem te deve proteção
Fria, e a corregedoria lava as mãos
Corta, close no arregaço
Uma cadeira vazia, família faltando um pedaço
Dói no estômago, tipo azia
No âmago o espaço daquela piada que ele sempre fazia
Esses meninos são sangue, medo e pele
Onde viaturas são abre alas do IML
É, eu nem choro mais, pois bem
Não sei dizer se eu fiquei mais forte ou se eu morri também
Realmente o tempo voa
E pensa, zoa, zoa, zoa
Nem deu pra se despedir
E a dor ecoa na gente
Resta seguir…

Dizem que quando seus amigos morrem
Morre um pouco de você
Nasce um lugar a se preencher
Do tamanho do que o que você ficou de dizer
E não pôde dizer (nunca vai esquecer)
Faz quantos anos, era comemoração
Os manos e o time campeão
Ó, uns beck, uns goró, os muleque novão
Quando o telefone tocou, já veio a sensação
Vi cada foto no muro do cemitério
Nas lápide, sério
Dizendo “se adapte”, as flor seca no chão
A cabeça a milhão, troca o caixão de mão
E nota: as folha solta voa
Olha a mensagem da coroa, vai vendo
Fulano, jamais te esqueceremos (Porra!)
E Deus só vê quando convém
E eu não sei dizer se eu fiquei mais forte ou se eu morri também

Realmente o tempo voa
E pensa, zoa, zoa, zoa
Nem deu pra se despedir
E a dor ecoa na gente
Resta seguir…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s