Forças pra continuar?

Vez o outra me falta forças pra continuar, é que essa batalha, parece que já foi vencida há tanto tempo e esqueceram de me avisar que eu havia sido derrotada, e que aquele era o fim, e hoje me vejo lutando mas não há mais vitória me aguardando, deveria eu me render e dizer “Eis chegado o derradeiro momento, eu desisto, assumo meu papel de derrotada e já não há mais por que viver” e com essa trágica e dramática frase eu corto minha cabeça, para que ao menos a honra de não ter sido degolada por nenhum lutador eu a tenha. Não que eu queira esse dramático fim, mas já não vejo mais saídas, presa em um caminho, onde o poço sem fundo se faz presente no fim da estrada, ou já estaria eu imersa nesse poço? Já não sei, onde me encontro, já não encontro soluções, já não sei se tenho forças suficientes para mais batalhas, por muitos momentos, me perguntei o porquê de ser comigo? Em muitos outros, já não mais me perguntava, o entendimento me chegou, hoje já tenho uma falsa aceitação, pois ainda me permeiam questionamentos, hora ou outra, me pego rebelde, e me acalmo, é preciso passar por todos os momentos e tirar aprendizados, já estou cheia de tantos aprendizados…

Por momentos, eu só gostaria de obter um abraço, daqueles vindo de amigos distantes, tão distantes que esse abraço já seria somente etéreo, um abraço como se dizendo não desista, ainda existe luz no fim do túnel, porém daqui já não vejo luz a tanto tempo, que não sei bem se o fim total seria o melhor,  minhas palavras soam depressivas, uma forma errônea de disfarçar a esperança que ainda existe em mim, que quer lutar e não vai descansar até encontrar o fim do tal túnel, como se para provar a mim mesma, eu não disse que havia luz! E é com um leve sorriso e lágrimas nos olhos que ela me diria essa frase. Hoje me vejo tocada por pequenas situações, a grossa capa que vestia foi remodelada, e hoje ela se faz maleável, se faz verdadeira, se faz de atenção para sensibilidade, aprender a conhecer a si, foi um dos grandes aprendizados, admitir erros e a hora que é preciso mudar também, já saber o que é prioridade ou não, aprender que nem tudo é como desejamos, alias nada é como desejamos, o todo esta sempre sofrendo modificações pelo caminho.  Levemente, sem alarde, sem grandes comoções, de forma bem intimista vou vendo as minhas modificações, o silêncio virou minha maior fala, porém ainda repulsiva a mediocridade e passividade. Sou uma mistura que não há explicação, ou mesmo entendimento…

Por: Nininha Albuquerque.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s